Movimento “Escola sem Partido”, entenda suas ideologias.

O movimento “ Escola sem Partido ”, que diz representar pais e estudantes nas salas de aulas brasileiras, existe há vários anos, mas só a partir de 2015 começou a provocar polêmicas – desde que câmaras municipais, assembleias legislativas e o Congresso Nacional, começaram a debater projetos de lei inspirados no grupo. Com a chegada das eleições de 2018, esse assunto volta a ficar em alta, com cada vez mais professores tentando mostrar algo favorável para esse movimento.

A ideia já virou lei em Alagoas e em dois municípios brasileiros, mas, no caso alagoano, o documento foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF) e, na semana passada, a Advocacia-Geral da União (AGU), consultada no processo, considerou-o inconstitucional, porque legisla sobre uma área de competência da União, e porque infringe o artigo 206 da Constituição, que garante a pluralidade de ideias no ambiente de ensino.

O que é a “escola sem partido”?

O “Escola sem Partido” é uma referência a coisas distintas. Primeiro, há o movimento “Escola sem Partido”, um grupo que diz representar pais e professores. No site oficial, o movimento diz se preocupar “com o grau de contaminação político-ideológica das escolas brasileiras“, e afirma que “um exército organizado de militantes travestidos de professores prevalece-se da liberdade de cátedra e da cortina de segredo das salas de aula para impor a sua própria visão de mundo”.

O movimento mantém uma página na internet na qual coleta “depoimentos de estudantes que tiveram ou ainda têm de aturar a militância político-partidária, ou ideológica de seus professores”, e afirma que decidiu publicar esses textos porque sempre esbarrou “na dificuldade de provar os fatos e na incontornável recusa de nossos educadores e empresários do ensino, em admitir a existência do problema”. O site também endossa blogs que analisam o conteúdo de alguns livros didáticos e dá suporte para pessoas interessadas em acionar a Justiça contra atitudes de professores em sala de aula.

>>Não saia sem adicionar nosso número em sua agenda, para não perder as novidades, depois basta mandar um "OI" no WhatsApp 75 99879-7106. TOTALMENTE DE GRAÇA!! >>

Depois, existem os projetos de lei inspirados no movimento. A maioria destes projetos, porém, segue o modelo de um anteprojeto de lei elaborado e defendido pelo “Escola sem Partido”.

O que são os projetos de lei sobre o “Escola sem partido”?

Atualmente, há diversos projetos de lei em tramitação em câmaras municipais, assembleias legislativas e no Congresso Nacional, que falam sobre os direitos e deveres dos professores dentro da sala de aula, os direitos dos pais na decisão sobre o conteúdo da educação dos filhos e regras para a definição de livros didáticos a serem adotados pelas escolas. A maioria dos projetos de lei apresentados recentemente, seguem os moldes do anteprojeto elaborado pelo ‘Escola sem Partido’.

Projetos de lei “escola sem partido”

Os projetos de lei do “Escola sem Partido”, pretendem especificar os limites da atuação dos professores, impedindo que eles promovam suas crenças particulares em sala de aula, incitem estudantes a participarem de protestos e denigram os alunos que pensem de forma distinta. Além disso, o projeto dá o direito dos pais de escolherem como será o ensino de religiões diferentes das suas (“direito dos pais dos alunos, a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com as suas próprias convicções”). Aos professores, também cabe garantir que os estudantes ou terceiros não descumpram as regras acima durante suas aulas.

De acordo com um levantamento feito junto com a assembleia legislativa e no Congresso Nacional, até o fim de julho, nove estados brasileiros, além do Distrito Federal tinham pelo menos um projeto de lei com teor semelhante, tramitando na Assembleia Legislativa. Na Câmara dos Deputados e no Senado, também há projetos em análise dos parlamentares.

Em apenas um dos estados, um projeto semelhante já foi aprovado. Trata-se da lei que institui o programa “Escola Livre” em Alagoas.

Comente