Perigo juvenil: Você sabe quais os riscos da gravidez na adolescência?

Sabendo que a cada ano o índice de bebes nascidos vivos  provenientes de jovens entre 10 a 19 anos teve uma diminuição, comparado com os números do início do século, mas ainda não é o bastante, mesmo com a diminuição, o Brasil continua a subir em relação as outras nações, subiu 14 posições, em 20 anos, na lista de 213 países com fecundidade precoce. Hoje, o país está na 49º colocação: são 70 a cada 1000 meninas entre 15 e 19 anos que deram à luz em 2013, de acordo com a última pesquisa do Banco Mundial.

A maioria das meninas engravidam sem ter planejado ou mesmo sem conhecer o pai, tendo relações sexuais em festas, muitos aproveitam da situação em que a menina encontra-se sob a influência do álcool, assim não tendo real  noção sobre seus atos. Contudo em vários casos a gravidez se dá por falta de informações tanto da família quanto da escola, não dizendo como se prevenir, ainda hoje há um tabu muito grande na família brasileira para falar em assuntos sexuais, desta forma, o jovem fica de certa maneira perdido, aprendendo da pior forma possível. Os pais têm reação diferentes em receber a notícia que sua filha estar grávida, muitos apoiam e ajudam a criar o filho, reconhecendo que de certa forma a culpa é deles por não ter conversado abertamente sobre o assunto. Já outros fazem a pior coisa que se pode fazer nesse momento, que é  da as costa para o problema chegando até a expulsar a filha para fora  de casa.

Geralmente os pais desses bebês também são jovens como a mãe, e optam por abandonar deixando o peso de criar um filho em cima da jovem, ainda têm uns que tentam fazer com que a menina aborte sem nem pensar no risco que essa ação pode causar. Em poucos casos o pai assume o bebê, mas ainda pedem exames de DNA para ter certeza.

Com a chegada de um filho a escola deixa de ser o seu principal objetivo, assim aumentando o numero de evasão escolar, quanto mais tempo se passa mais difícil torna-se voltar para a sala de aula. Os problemas em ter um filho na adolescência não ficam só  em largar os estudo, podem aparecer doenças como a depressão, uma vez que o estresse aumenta, falta de afeto, isso tudo pode deixa-la depressiva, além de outras como: doenças hipertensivas na gestação (como pré-eclâmpsia), aumento do risco de parto prematuro, anemia gestacional, doenças sexualmente transmissíveis (DSTs),  e o baixo peso do feto ao nascer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 19 =